Por Cláudio da Costa Oliveira – outubro de 2020

Durante a II Grande Guerra, o premier britânico Winston Churchill disse: “Nunca tantos deveram tanto a tão poucos”, referindo-se à bravura dos pilotos da RAF na defesa da nação atacada pelos alemães.

Em entrevista à Exame, publicada ontem (08/10), o atual presidente da Petrobrás, Roberto Castello Branco, disse: “Fizemos trabalho de seis anos em seis meses”. https://exame.com/revista-exame/seis-anos-em-seis-meses/ Em entrevista à Exame, publicada ontem (08/10), o atual presidente da Petrobrás, Roberto Castello Branco, disse: “Fizemos trabalho de seis anos em seis meses”.

https://exame.com/revista-exame/seis-anos-em-seis-meses/

Concordo plenamente, só acho uma injustiça pretender que os louros sejam devidos apenas a ele e à atual administração, esquecendo-se do esforço de tantos que o antecederam.  

Esqueceu de José Serra, que conseguiu retirar a prioridade da Petrobrás na exploração do pré-sal como havia prometido à Chevron. Cidadão de palavra.

Esqueceu da ex-presidenta Dilma, que no leilão de Libra abriu a exploração do pré-sal brasileiro às nações amigas (como D. João VI), além de iniciar o processo de desmonte da Petrobrás em 2015 com um plano de negócios que previa a venda de mais de US$ 55 bilhões de ativos da empresa. Lembram do Vendine ?

Melhor ainda, não defendeu a empresa quando a Rede Globo (Miriam Leitão e Sardenberg) lançaram a “mãe das mentiras,” dizendo que a companhia estava à beira da insolvência, com uma dívida impagável. Deixou que a mentira se transformasse em verdade para a população brasileira.

O atual presidente da Petrobrás esqueceu-se também do “grande” Pedro Parente, “um colosso”, como dizia Miriam Leitão. Criador do Preço de Paridade de Importação – PPI, que sufoca o consumidor brasileiro e segura o crescimento do país. Assim como Vargas que se matou para que a Petrobrás sobrevivesse, Parente sucumbiu na greve dos caminhoneiros pela permanência do PPI. Um mártir.   

É melhor parar por aqui pois são muitos os nomes e podemos cometer injustiças. Voltemos à entrevista de Castello Branco.

Interrogado, mostrou -se ao regime de partilha que na sua opinião “não é atrativo para os investidores”. Deixou de dizer que o ponto fundamental do regime de partilha era que a Petrobrás seria operadora única das explorações, com participação mínima de 30% nos eventuais consórcios.

A retirada da Petrobrás da condição de operadora única no pré-sal deveria ter provocado modificações no regime de partilha, pois retirava da União o controle sobre os gastos apropriados no custo em óleo.

Sobre isto, editorial do Valor Econômico de novembro de 2017 cita declaração do insuspeito ex-presidente da ANP Décio Oddone:  “Nele (regime de partilha) o investidor agrega despesas sem nenhum critério, só para elevar o custo e entregar um volume menor de petróleo à União”.

Ou seja, entregar a operação da exploração dos campos a empresas estrangeiras (como já ocorreu em diversos) é como cair no conto do vigário aplicado por essas companhias pra cima da União.

Questionado sobre a decisão do STF de não conceder liminar para interromper a vendas das refinarias, Castello Branco respondeu que “acredita que a justiça entendeu os benefícios da venda de ativos da companhia”.

Francisco de Quevedo, poeta e pensador espanhol do sec. XVI, dizia: “Quem julga pelo que ouve e não pelo entende é orelha e não juiz”.

Quem assistiu ao julgamento pode ver que os ministros que negaram a liminar decidiram de “orelhada”, mostrando total incompetência para o cargo que ocupam.

Foram utilizados argumentos do tipo “o valor das refinarias é insignificante em relação ao imobilizado total da companhia”, sem atentar para o fato de que, contabilmente, as refinarias já foram totalmente depreciadas. É ridículo.  

Mas Castello Branco foi, sim, “brilhante” quando explicou as modificações que serão feitas no PNG 2020/2024, cujo quadro de Usos e Fontes exibimos à seguir:   

Notem que neste PNG o valor do Brent foi considerado a US$ 45-50.

O novo PNG 2021/2025, a ser apresentado em Nova Iorque no final de novembro, deverá considerar o preço do Brent em torno de US$ 35. Com isto, evidentemente haverá uma redução na Geração de Caixa, principal fonte de recursos do plano.

Para compensar, Castello Branco informou que vai aumentar os desinvestimentos (venda de ativos) e reduzir os investimentos para US$ 40-50 bilhões. Com o objetivo, é claro, de manter ou aumentar o pagamento de dividendos. Com isto Castello Branco deverá conquistar da Associação Internacional dos Fundos Abutres o troféu “Black Rock” 2020 de entrega total.