Tânia Caliari é jornalista graduada em Comunicação Social pela Universidade Federal de Minas Gerais.  Foi repórter e diretora de programa de divulgação científica na TV da Universidade Federal de Viçosa, entre 1994 e 1997, e redatora de Internacional do jornal O Tempo, em Belo Horizonte (MG), entre 1997 e 1999.

Em São Paulo, foi repórter das revistas Reportagem (2001-­2005) e Retrato do Brasil (2006­-2014), tendo realizado matérias de política, economia, temas sociais, cultura, ciência e tecnologia no Brasil, além de coberturas internacionais sobre a Palestina, crise argentina, atentado de 11 de setembro, eleições nos EUA, lançamento de satélite na China.

Foi indicada por um júri de 60 jornalistas para o prêmio Mulher Imprensa da revista Imprensa em 2013, tendo ficado em segundo lugar na votação popular. Em 2015 trabalhou na pesquisa e roteiro para séries de TV da produtora Acere, em São Paulo, e posteriormente na elaboração de roteiros para material audiovisual didático – Série Delta, da editora FTD.

Como freelancer, em 2016 ganhou bolsa da Agência Pública de Jornalismo Investigativo, com a qual fez reportagem sobre demarcação de terras indígenas. Em 2017, cobriu a ação do Ministério do Trabalho no resgate de trabalhadores em situação análoga à escravidão na floresta amazônica, no Pará, para o site Repórter Brasil.

Entre 2018 e 2019 trabalhou na elaboração do livro A história da luta pela terra e o MST da editora Expressão Popular, e fez a edição de textos do livro Brasil em Transe, 50 anos de Terra em Transe, a ser publicado pela Sociedade Amigos da Cinemateca.