“É preciso dar um basta nesta situação”

Por Cláudio da Costa Oliveira – julho 2021

O aumento nos preços dos combustíveis (diesel, gasolina e glp) anunciado pela Petrobrás e que passa a valer à partir desta terça-feira (06/07) surpreendeu a direção do Conselho Nacional do Transporte de Cargas – CNTRC.

 Em reunião realizada há apenas uma semana com o presidente da Petrobrás, Gen. Silva e Luna, o CNTRC recebeu a informação de que sua proposta de política de preços estava em análise pela companhia.

A proposta de política de preços apresentada pelo CNTRC tem como base a substituição do Preço de Paridade de Importação – PPI — pelo Preço de Paridade de Exportação – PPE, bem como a taxação das exportações de petróleo bruto, cujas receitas seriam utilizadas para compensar Estados e a União para efetivarem reduções de impostos nos combustíveis. Para os dirigentes do CNTRC é inadmissível que a direção da Petrobrás atenda a pressões de organismos como a Associação Brasileira de Importadores de Combustíveis – ABICOM.

https://g1.globo.com/economia/noticia/2021/07/02/importadores-criticam-defasagem-nos-precos-dos-combustiveis-praticados-pela-petrobras.ghtml

Na verdade, a ABICOM é uma entidade que não tem nada de brasileira, pois atende ao interesses de empresas estrangeiras, e do mercado de capitais como a Ativa Investimentos:

https://valorinveste.globo.com/mercados/brasil-e-politica/noticia/2021/07/02/gasolina-tem-defasagem-de-20-pontos-percentuais-calcula-ativa-investimentos.ghtml

Na última segunda-feira o CNTRC enviou oficio ao presidente da Petrobrás pedindo a revogação dos aumentos, que pode ser visto nesse link:

https://drive.google.com/file/d/1_WjDqfz0P8KNeXx6yH5nqjFPZm-_ptPw/view

E também emitiu nota para a imprensa esclarecendo sua posição:

https://drive.google.com/file/d/1Oo5fFx5-e1gS8T9cMWrhEvijx7g7GnDW/view

O problema é muito mais grave do que possa parecer, pois não atinge apenas à categoria de caminhoneiros (centena de milhares) e suas famílias (milhões de brasileiros), mas a dezenas de milhões de brasileiros que hoje padecem em consequência dos aumentos desproporcionais dos combustíveis em relação à renda da população.

É preciso dar um basta nesta situação e libertar a Petrobrás da extorsão de importadores e investidores do mercado de capitais.